procedimentos

Acne

Ler mais

A acne é uma doença inflamatória da unidade pilossebacéa, com acometimento de ambos os sexos, de alta incidência e prevalência. A acne vulgar pode ser auto-resolutiva, por volta da segunda década de vida, ou podem exigir tratamentos diversos para seu controle, variando de gravidade em cada indivíduo. O tratamento é muito importante para melhora da acne, mas também para evitar as cicatrizes permanentes, sendo essas de difícil manejo.

Outro aspecto importante é o fator psicológico dos pacientes, sendo comuns alguns transtornos psicossociais, com grande influência na vida dos adolescentes, devido a fatores estéticos.

Verrugas

Ler mais

As verrugas, muito comuns em crianças e adolescentes, são causadas pelo HPV (papiloma vírus humano) e a contaminação pode se dar por via direta ou indireta. Por serem contagiosas, podem se espalhar pelo corpo através da auto-inoculação.

Apesar de não apresentarem um perigo para a saúde, as lesões podem ser inestéticas, principalmente à medida em que aumentam em tamanho e número. Em crianças, é comum observarmos que as lesões são motivo de vergonha e até bullying, causando muito constrangimento aos pequenos.

Os tratamentos disponíveis são variados e efetivos, devem ser escolhidos por um médico e o recomendável é iniciar o tratamento o quanto antes. Fator importante é nunca fazer uso de medicações sem prescrição e orientação médica, pois podem queimar e ferir a pele, sem retirar a verruga. Dos tratamentos caseiros, as famosas “simpatias” são as únicas liberadas e sem restrições.

Psoriase

Ler mais

Doença auto-imune, crônica e recidivante, relativamente comum (2 a 3% da população) e não contagiosa, que acomete principalmente pele e articulações. O ínicio da doença depende da associação de três fatores: imunológico, genético e ambiental. As lesões da pele ocorrem por processo inflamatório e proliferação aumentada dos ceratinócitos (células da pele) formando lesões descamativas e eritematosas, bastante características e familiares aos dermatologistas. O diagnóstico é feito clinicamente, na grande maioria das vezes, baseado na história clínica do paciente e no exame físico das lesões.

O impacto na vida dos pacientes é variável, e em alguns casos, a qualidade de vida pode estar muito prejudicada, sendo o aspecto psicológico um dos pontos avaliados no momento de instituir o tratamento.

Os estudos em psoríase têm avançado a largos passos, com maior disponibilidade de tratamentos aos indivíduos acometidos por essa doença. Os tratamentos variam de acordo com a gravidade do caso e considerando-se as restrições de cada individuo, de modo que se faça a escolha terapêutica mais adequada para cada paciente com maior chance de sucesso terapêutico e com menor risco de efeitos adversos.

Câncer de pele

Ler mais

São três os principais tipos de câncer de pele: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma, e são divididos em dois grupos: melanoma e não melanoma, devido às grandes diferenças clínicas que encontramos no melanoma para os outros tipos de câncer de pele.

O câncer de pele é o câncer mais comum no ser humano, responsável por 1/3 de todos os casos de câncer do mundo; felizmente, também apresenta alta taxa de cura. Dentre as mortes decorrentes do câncer de pele, a grande maioria, relaciona-se ao melanoma, por sua gravidade e agressividade.

Rosácea

Ler mais

É uma doença crônica da pele, acomete principalmente a região central da face com vermelhidão (eritema), vasinhos superficiais da pele dilatados, pápulas e eventualmente pústulas. Tem alguns fatores desencadeadores e agravantes como estresse, alterações hormonais, predisposição genética, alteração brusca de temperatura, ingestão de álcool, comidas quentes, exposição solar e uso de medicações vasodilatadoras ou fotossensibilizantes.

Exige acompanhamento dermatológico frequente com uso de medicamentos tópicos eou orais, existindo ainda, alguns procedimentos estéticos que melhoram os aspectos decorrentes das lesões vasculares existentes como o Laser.

Vitiligo

Ler mais

Uma doença que afeta as células que produzem a melanina (pigmento que dá cor a nossa pele), ainda sem causa definida, mas com fortes atribuições imunológicas, de modo que é sempre importante investigar, através de exame clínico ou laboratorial, outras doenças que podem caminhar juntas com o vitiligo, como doenças da tireóide e diabetes.

É uma doença crônica, não contagiosa, ainda sem cura definida, porém é uma doença bastante estudada. Apresenta alguns fatores agravantes como o estresse emocional ou mecânico (fenômeno de Koebner: lesões de vitiligo aparecem em local previamente machucado).

Atualmente dispõe-se de alguns medicamentos e técnicas terapêuticas para manejo da doença, lembrando que é importante num primeiro momento estabilizar o aparecimento e crescimento das lesões, para então repigmentar as lesões acrômicas ou hipocrômicas da pele.

Herpes simples e genital

Ler mais

Causados por dois vírus muito comuns na população, algumas pessoas desenvolvem a doença com quadros que são muito incômodos, dolorosos e podem deixar marcas, sendo ainda mais exuberantes e sintomáticos nos casos de herpes genital. O tratamento medicamentoso em doses corretas e pelo tempo adequado traz maior taxa de sucesso ao tratamento, por isso, devemos sempre realizar tratamento com dermatologista e evitar a auto-medicação.

Nos casos de herpes recidivante, dispõe-se de alternativas para melhorar a resposta imunológica do paciente e reduzir as crises, já que o vírus fica incubado desde o primeiro contato para o resto da vida.

Herpes Zoster

Ler mais

O herpes zoster é causado pelo mesmo vírus que causa a varicela (catapora): após o primeiro contato do individuo com o vírus ocorre a manifestação da catapora e então o vírus fica incubado em um nervo. Em algum momento de baixa de imunidade do organismo, o vírus incubado pode se distribuir ao longo do nervo e gerar as lesões do herpes zoster. Normalmente se inicia com dor e formigamento em local, no qual, aparecerão as lesões, sempre respeitando o limite de um lado do corpo e um dermátomo específico. Inicia-se por vesículas, que evoluem com a ruptura e formação de crostas. É importante lembrar que o conteúdo destas vesículas contém o vírus da varicela, e pode transmitir a doença, de modo que, deve-se orientar ao paciente sobre as formas de evitar contagio de crianças ou outras pessoas que não tenham tido varicela e que possam estar no convívio.

A afecção dura em torno de sete dias em indivíduos saudáveis, e o tratamento com antivirais é importantíssimo para a melhora rápida, assim como o uso de medicações de controle da dor. Por ser uma doença que acompanha o nervo, mesmo após a resolução do quadro cutâneo, o paciente pode persistir com dor no local, sendo então diagnosticado com nevralgia pós herpética, uma complicação de difícil manejo.

Alguns pacientes apresentam herpes zoster recorrente e necessitam de cuidados especiais. O tratamento vai depender da indicação, após previa consulta, podendo neste caso, ser necessário um tratamento prolongado com anti-virais, outros medicamentos e até a vacina de herpes zoster.

Molusco contagioso

Ler mais

Uma virose que frequentemente acomete crianças, tem característica benigna, mas contagiosa, por isso a importância de iniciar o tratamento o quanto antes. Pode-se usar medicações orais e tópicas domiciliares na tentativa de melhorar a imunidade, porém, ás vezes, é necessário realizar curetagem cirúrgica para remover as lesões causadas pelo vírus.

Micoses

Ler mais

São infecções fúngicas que podem nos acometer da cabeça aos pés, literalmente, do couro cabeludo ás unhas dos pés. Devem ser tratadas com disciplina devido ao caráter resistente dos microrganismos e, sua capacidade de sobrevivência no ambiente por longos períodos. Além do tratamento medicamentoso, temos como fortes aliados  os adequados cuidados de higiene pessoal e limpezas de ambientes, além de nunca compartilhar instrumentos de manicure, pedicure, etc.

Hiperidrose ( sour excessivo )

Ler mais

Algumas pessoas sofrem com a hiperatividade das glândulas sudoríparas, o que traz muito desconforto nas atividades do cotidiano, pois apresentam intenso suor em mínimas atividades. A hiperidrose pode ser primária, geneticamente determinada e se iniciar nos primeiros anos de vida, ou podem ser secundária, normalmente desencadeada por outros fatores como obesidade, alterações hormonais ou estresse.

O local de suor excessivo é variável, acometendo locais como mãos e pés, axilas, face, couro cabeludo ou outras regiões do corpo e os tratamentos vão de acordo com a intensidade e localização do quadro, podendo ser tópicos e orais para casos mais leves ou, em casos mais intensos, pode-se usar a toxina botulínica, curetagem das glândulas axilares ou então cirurgia de simpatectomia.

Bromidrose ( odor desagradável )

Ler mais

Uma parcela da população sofre com um cheiro forte, desagradável nas axilas, pés e/ou dobras. A causa disso são bactérias que liberam esse odor ao degradar algumas substâncias que produzimos normalmente no nosso corpo. Com alguns hábitos especiais de higiene, técnicas para minimizar sudorese e uso de medicações tópicas pode-se trazer o conforto desses pacientes de volta.

Dermatite Seborreica

Ler mais

É uma doença inflamatória crônica que acomete principalmente couro cabeludo, sobrancelhas, barba e zona T do rosto, que necessita tratamento para controle das lesões, visto não haver cura da doença. É importante sempre avaliar os fatores desencadeantes ou de piora da doença, sendo as orientações essenciais para que se tenha melhor resultado com os tratamentos instituídos. Diferente do que alguns acreditam, a presença do fungo, o Pityrosporum ovale, não faz da dermatite seborreica um doença contagiosa, mas ao mesmo tempo, a participação deste fungo, faz com que apresente boa resposta clínica com o uso de medicamentos a base de antifúngicos.

Dermatite de contato

Ler mais

A dermatite de contato é muito frequente e diversa em sua apresentação e também em seus agentes causadores. Pode ser irritativa, quando o contato com o agente, geralmente de característica ácida ou alcalina, gera dermatite restrita ao local de contato e já no primeiro contato com o agente causador.

A dermatite de contato alérgica necessita de maior tempo de contato para estimular o sistema imunológico, e então deflagrar a dermatite. As lesões podem se estender além do local de contato com os agentes, sendo esses, normalmente, produtos do uso diário como creme, esmaltes ou perfumes. A consulta médica dermatológica pormenorizada é importantíssima para investigação de possíveis agentes causadores e sucesso na terapêutica.

Dermatite Atópica

Ler mais

A dermatite atópica é uma doença crônica, que geralmente se desenvolve na infância, principalmente em crianças com predisposição genética, não é contagiosa e pode vir acompanhada de rinite alérgica ou asma brônquica. As lesões cutâneas são bastante pruriginosas, ocorrem principalmente nas regiões de dobras dos braços e atrás dos joelhos, mas também podem ocorrer no pescoço, abdome, face ou outras regiões.

O tratamento é importante para o bem estar e qualidade de vida do paciente, e além de medicamentos específicos e hidratantes potentes para recuperação da barreira cutânea, inclui orientações extensivas sobre hábitos de banho e cuidados diários, sendo o sucesso do tratamento dependente da aderência do paciente aos novos hábitos.

procedimentos

Biopsia

Ler mais

A biópsia é um procedimento cirúrgico bastante utilizado, no qual é retirado um fragmento de pele, mucosa, unha ou couro cabeludo e enviado para análise microscópica. É um recurso muito útil que auxilia em diagnósticos e é também essencial quando em abordagem de tumores cutâneos.

O procedimento é realizado sob anestesia local, retira-se um fragmento ou a lesão toda, a depender de critério clínico, e procede-se sutura do local. É um procedimento bastante tolerado, até mesmo por crianças.

Lobuloplastia

Ler mais

As fissuras de lóbulos de orelha podem ser completas ou incompletas, normalmente ocorrem por uso de brincos pesados ou por acidentes e traz muito incomodo principalmente para as mulheres. A correção da fissura é feita sob anestesia local, em cirurgia realizada em tempo curto, com pouco incomodo no pós cirúrgico, restaurando a possibilidade de novo furo em pouco tempo.

Por vezes, quando a fissura é incompleta, em paciente já foto envelhecida, podemos usar de algumas outras técnicas para melhorar o suporte da pele como preenchimentos, microagulhamento, laser, peeling, dermo abrasão e cauterização química.

Remoção de ” sinais” 

Ler mais

Popularmente chamado de “sinais” ou “pintas” de pele, estas lesões são normalmente nevos melanocíticos. Podem ser de diversos tipos e é primordial o acompanhamento com dermatologista, isto porque, alguns nevos apresentam características que indicam a necessidade de sua retirada. Já outras lesões, incomodam os pacientes pela localização, com traumatismos recorrentes ou então, por serem inestéticas.

Os procedimentos para remoção dos nevos, a depender da indicação médica, após anestesia local, podem ser:

— corta-se a lesão paralelamente a pele (shaving) e procede-se eletrocoagulação da base da lesão;

— faz-se uma incisão em fuso ao redor da lesão, retira-se a pele toda naquele local, e sutura.

É importante lembrar, que qualquer procedimento cirúrgico deixará uma cicatriz no local de abordagem, o intuito é sempre usar técnicas adequadas, visando o melhor resultado estético possível, mas a cicatriz não é possível ser evitada.

Cirurgia de Câncer de pele

Ler mais

Consiste na exérese cirúrgica de pequenas lesões de pele e seus anexos, como nevus, cisto sebáceo, incluindo a retirada de cápsula e lipomas, com uso de dreno ou não.Nessa técnica o cirurgião remove uma camada da pele que pode ter sido invadida pelo tumor e mapeia sua localização. A amostra de tecido removida é imediatamente analisada por um patologista e, se ainda existirem células cancerígenas, remove-se mais um pouco de tecido, que volta a ser analisado pelo patologista.

Curetagem

Ler mais

Uma técnica simples, na qual utiliza-se anestésico tópico para depois retirar a lesão com um instrumento cirúrgico – a cureta. É muito utilizado em crianças com molusco contagioso, por exemplo, e a recuperação é bastante tranquila e indolor, em torno de 7 a 10 dias.